terça-feira, 26 de abril de 2011

A Cartola

 

Esse é um trecho do livro "O Mundo de Sofia", de Jostein Gaarder.
Recebi esse livro como presente no meu aniversário de 15 anos, e ele foi um dos meus incentivos para estudar filosofia. Recomendo à todos. É um livro surpreendente!

"Um dos antigos filósofos gregos, que viveu há mais de dois mil anos, acreditava que a filosofia era fruto da capacidade do homem de se admirar com as coisas. Ele achava que para o homem a vida é algo tão singular que as perguntas filosóficas surgem como que espontaneamente. É como o que ocorre quando assistimos a um truque de mágica: não conseguimos entender como é possível acontecer aquilo que estamos vendo diante de nossos olhos. E, então, depois de assistirmos à apresentação, nos perguntamos: como é que o mágico conseguiu transformar dois lenços de seda brancos num coelhinho vivo?

Para muitas pessoas, o mundo é tão incompreensível quanto ao coelhinho que o mágico tira de uma cartola que, há poucos instantes, estava vazia.

No caso do coelhinho, sabemos perfeitamente que o mágico nos iludiu. Quando falamos sobre o mundo, as coisas são um pouco diferentes. Sabemos que o mundo não é mentira ou ilusão, pois estamos vivendo nele, somos parte dele. No fundo, somos o coelhinho branco que é tirado da cartola. A única diferença entre nós e o coelhinho branco é que o coelhinho não sabe que está participando de um truque de mágica. Conosco é diferente. Sabemos que estamos fazendo parte de algo misterioso e gostaríamos de poder explicar como tudo funciona."

[...]

(O Mundo de Sofia - A Cartola. pág. 26)









Todo mundo têm dois lados... Um bom, e um não tão bom assim... E as vezes nós nos deparamos com essa situação, de querer saber se ouvimos o nosso lado bom ou o lado ruim.
Aprecie a música! Sem moderação!



Um Outro Estranho "Eu" - Another stranger me - Blind Guardian

Uma semente da dúvida
Existe
E cresce
Um brilho de vida
De em algum lugar profundamente dentro
Acorde e compreenda

Há mais alguém aqui?
Alguém está gritando
Ajude-me por favor
Vamos desobrir agora
Que eu não estou sonhando
Bem vinda a minha condenação
Aqui vem o meu real "eu"

Eu não sabia
Eu não poderia ouvir a resposta
Minha mente estava vazia
Eu devia saber
Eu me segurei mas de algum modo
Existe outra pessoa
Um outro estranho "eu"

Um outro estranho "eu"

Isso é
Quando o gelo
Se partirá

Eu não posso sair daqui
De forma alguma
Por que nenhumas de minhas chaves
Cabe na porta
Há um medo e uma raiva
Ódio e amor
Eu devo confessar
Está fora de alcance

É cínico
É cínico
Ainda cínico
Toda minha risada

É cínico
Apenas maniaca
É cínico
Toda sua risada

Se houver alguém ai dentro
Logo tudo acabará
Nós iremos queimar
Nossas almas queimadas
E nós estamos por nossa conta agora
Desista da sua invasão cruel
Você é insano eu irei mostrar-lhe

Eu não sabia
Eu não poderia ouvir a resposta
Minha mente estava vazia
Eu devo ter sabido
Eu devia saber
Eu me segurei mas de algum modo
Existe outra pessoa
Um outro estranho "eu"

Fora e longe
Não pude resistir
Frio é doloroso
O Raio da dor
Continuar a rasgar a minha mente
Eu não posso mais aguentar

Não diga há mais ninguém mas eu
Não acredito nela
Ela me odeia
Enevoa minha mente
É uma enganadora
Eu posso sentir vibrações cruéis
Você gostaria de se encontrar comigo?

Eu não sabia
Eu não poderia ouvir a resposta
Minha mente estava vazia
Eu devo ter sabido
Eu devia saber
Eu me segurei mas de algum modo
Existe outra pessoa
Um outro estranho "eu"

Um outro estranho "eu"

Nenhum comentário:

Postar um comentário